segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

... Tudo vale a pena ...

"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena". Essa frase de Fernando Pessoa me faz observar como a vida é bela, dinâmica e surpreendente. Um verdadeiro gráfico. Enfrentamos os nossos dilemas, alegrias ou medos, e eles parecem ser muito iguais para todos, só mudando de endereço (como diz o meu pai). Ora estamos na "crista" da onda, ora esquecidos em um "buraco". Vou aprendendo a olhar para frente, sabendo que cada escolha tem consequência, mas gosto de pensar que o que somos hoje, foi fruto dos caminhos que trilhamos. É por isso que devemos ver a vida como uma estrada percorrida e não como fardo carregado. Eu gosto da minha história, de onde vim, onde estou e para onde posso ir. Em algum momento nesta estrada, o atletismo entrou em minha história de vida por acaso. Na intenção de reduzir peso (fato que me inspira até hoje), comecei meus primeiros movimentos, e em 2005, com 33 anos, me juntei à galera Acorremar prá começar a treinar performance. Corria os 10 km para 46 min e cheguei a correr na casa dos 34 min (2009), e estabilizei na casa dos 35 min. Nunca tive algum tipo de lesão significativa até ser surpreendido por esta, que me acomete à 5 meses. Hoje me encontro "temporariamente" APOSENTADO dos famosos e duros treinos e das grandes "batalhas" por pódios e troféus, não me vejo como um atleta, sou somente uma sujeito que não é sedentário, o que é muito bom, pois a semente foi plantada e germinou esse desejo de manter o corpo em movimento apesar de algumas dores. Afinal de contas sou brasileiro e não desisto nunca, pois todo dia quando saio de casa para "rodar", o faço na esperança de que não sentirei mais nada, mas ao retornar desse "treino" bate aquela sensação de que não deveria mais correr, parar de vez, ir pra outra, mas no outro dia, começo tudo novamente, e assim vou me divertindo até porque essa "brincadeira" representa somente 1/16 (1:30 h média) do meu tempo diário, ou seja, tem muitas outras coisas acontecendo também e que tem um peso muito maior. Por isso o mundo não caiu e faço valer a pena cada instante de respiração que tenho, SEM NOSTALGIA ou MELANCOLIA, por isso procuro me divertir até nos momentos estranhos. Segundo o ortopedista que me atendeu, essas dores em algum momento vão sumir. Pode ser essa semana, no próximo mês, daqui a um ano ... enquanto isso, vou "rodando" na boa e quando dá, acelero um pouquinho ... quando elas (dores) me abandorem, vejo o que fazer. Agora é curtir, afinal de contas ... TUDO VALE A PENA.

As competições em nossa região já começaram e apesar de ser perto de casa, não assisti à nenhuma delas. Na corrida de Apucarana estava viajando (foto acima) e a de Cornélio Procópio caiu num sábado. Mas veja abaixo grandes matérias e super fotos:



28/01/2012 - 50ª Prova Pedestre 28 de Janeiro (Apucarana - PR) - AQUI ... MATÉRIA / FOTOS - SANDRO CABRAL

11/02/2012 - 35ª Prova Pedestre Quinze de Fevereiro (Cornélio Procópio - PR) - AQUI ... MATÉRIA / FOTOS - SANDRO CABRAL

2 comentários:

tutta disse...

É uma pena saber que você não está totalmente recuperado da lesão ainda.
No entanto, fico feliz em saber que você está tirando de letra tudo isso que está acontecendo.
Confiando em Deus, chegaremos em um porto seguro.
Desejo que recuperes logo para traçarmos alguns "duelos" em provas por esse Paranazão a fora. hehe

Abraço e tudo de bom a você.


tutta/BALEIAS/PR
www.correndocorridas.blogspot.com

Altemar disse...

Sim. Por isso que o brother é um pouco de tudo: corredor, músico, contador, pensador, escritor, editor online etc, etc..